• Gabriel Mendonça

Duke of Edinburgh: O que eu aprendi?

No início do ano letivo, tomei a decisão de participar do Programa “Duke of Edinburgh” que minha escola oferece. Eu não tinha ideia no que estava me metendo. Por meio de uma expedição e atividades extracurriculares, necessárias a fazer devido ao prêmio, percebi que comecei a desenvolver algumas habilidades que definitivamente irão agregar em minha vida futuramente.

Registrando minhas horas

Para qualquer categoria do programa do “Duke of Edinburgh” (bronze, prata ou ouro), você deve completar 3 tipos de atividades: uma habilidade, um serviço e uma atividade física. Na categoria do prêmio prata, você é obrigado a fazer 26 horas para cada seção, mas se você não tiver concluído o bronze, meu caso, você deve aumentar as horas em outra categoria, é necessário um total de 52 horas.

Portanto, escolhi fazer para:

  1. Habilidade: produção cinematográfica e de vídeo

  2. Serviço: história de tutoria para os alunos do 10º ano

  3. Recreação Física: balé

A primeira coisa que percebi é que o gerenciamento do tempo se tornou muito importante na minha vida. Assumir essas tarefas extras junto com a escola me tornou melhor em aprender o que eu preciso priorizar e o que posso fazer depois. Isso também me fez perceber a importância de ter um cronograma, porque sem ele eu não conseguiria acompanhar todos os registros. A última coisa a considerar é que o programa faz você extremamente independente. É inteiramente com você, não importa a tarefa, está sob sua responsabilidade e comando. 

A jornada

A jornada é de longe a parte mais difícil do programa do Duke of Edinburgh. Fomos caminhar no deserto em Oman, país árabe na costa sudeste da Península Arábica, carregando uma mochila de 8 kg por 3 dias ao lado de 5 outras meninas. Nós caminhamos um total de 40 quilômetros. Foi difícil.

Não só a caminhada foi dolorosa, mas eu aprendi muito sobre meus próprios limites e como posso superá-los (de uma maneira saudável, é claro). O último quilômetro que andamos foi subindo a colina. Eu coloquei música no meu telefone (o que eu estou assumindo não é o ideal, mas com toda a honestidade, foi a única coisa que me fez continuar) pois, ouvir o som de outras pessoas no meu grupo praticamente gritarem como eles não queriam fazer isso não dava mais. Eu sentia o mesmo, mas não demonstrei.

Meu maior conselho: canalizar toda a sua energia no que está fazendo ao invés de reclamar, você fará isso muito mais rápido. Foi fácil andar quando concentrei toda a minha atenção no que eu estava fazendo. A única razão pela qual eu não senti que tinha ultrapassado meu limite naquele dia foi porque eu não me exauri emocionalmente durante a caminhada. Isso ensinou-me a diferenciar entre a minha limitação física e a emocional e como usá-las a meu favor.

A vista no topo da montanha não valeu a caminhada, mas o que aprendi nessa jornada sim!



E você, também quer realizar o sonho de estudar no exterior? Preencha o formulário abaixo que entraremos em contato o quanto antes!

<div class="grecaptcha-noscript"> <iframe src="https://www.google.com/recaptcha/api/fallback?k=6Lf2dpsUAAAAACEfdmyB7nYTeaqt9ZNZ_bZMwSdl" frameborder="0" scrolling="no" width="310" height="430"> </iframe> <textarea name="g-recaptcha-response" rows="3" cols="40" placeholder="reCaptcha Response Here"> </textarea> </div>


#estudarfora #fazerfaculdadenoexterior #estudarnoexterior #DukeofEdinburgh #extracurricular #atividades

0 visualização

Posts recentes

Ver tudo

Summer Job 101

Uma das melhores oportunidades que faculdades dos Estados Unidos podem oferecer aos estudantes são as longas “férias de verão” que vão de maio até agosto. Descansar, visitar a família, rever amigos, t